16 de nov de 2017

Esparadrapo nas Mãos e Dedos para a Escalada



4 steps to taping for climbing

Foto cortesia climbing.com

Uma desvantagem é que a fita reduz a sensação das suportes e também reduz o atrito. Embora lhe dê algum preenchimento extra, a fita não segura, além da sua pele. O lado que tocar sua pele também começará a escorregar e deslizar à medida que suba, tornando sua escalada muito menos confiável. A outra fraqueza do uso de fita para proteger sua pele é que você não dá a sua pele a chance de se acostumar às exigências da escalada. Este esporte é difícil em suas mãos, mas sua pele aumentará naturalmente ao longo do tempo. Se você evitar a dor ao gravar, você entra no caminho desse processo. Em vez de confiar em fita para reduzir a dor, desafie-se a controlar o movimento e a colocação da mão o máximo que puder ao passar de uma espera para a próxima. Isso ajudará você a obter mais foco, precisão e longevidade em sua escalada. Sua pele vai doer mais no início, mas vale a pena para o longo prazo! Se uma preensão específica for particularmente afiada / desconfortável, você pode decidir gravar enquanto trabalha com o resto do problema e, em seguida, remova a fita para uma tentativa de envio genuíno. Às vezes, tempos desesperados exigem medidas desesperadas. Se você tiver uma lágrima de pele, mas você não está pronto para parar de escalar, geralmente pode obter mais algumas tentativas da última vala usando fita adesiva. Seja consciente ainda: se você está sangrando, certifique-se de parar o fluxo sanguíneo primeiro - não seja a pessoa que recebe sangue na porão, isso é grosseiro. A melhor maneira de gravar é geralmente arrancar uma peça fina e aplicá-la na parte de trás do dedo lesionado. Em seguida, enrole a ferida e sobreponha a fita algumas vezes. Ancora a outra extremidade da fita na junta abaixo da ferida para evitar que cai imediatamente. Não vai durar muito tempo ou oferecer uma tonelada de proteção, mas pode ajudá-lo a fazer algumas tentativas finais se seu psicólogo não o deixar sair.

SUPORTE ESTRUTURAL

O exemplo mais extremo de usar fita adesiva para proteger a pele está na escalada, onde você usa fita adesiva para fazer uma luva, quase como um boxeador, para obter proteção contra a rocha. Na escalada de rachaduras, muitas vezes bloqueia e torce as mãos dentro das rachaduras da rocha para obter aderência, portanto, proteger a parte de trás da mão e dos dedos é importante.


All hands in! Tape for crack climbing


SUPORTE ESTRUTURAL

Você pode não perceber isso, mas seus dedos são na verdade uma intrincada teia de ossos, músculos, tendões, juntas e polias que trabalham juntas de maneira específica para dar-lhe a função adequada da mão. Escalar pode estressar e ferir algumas ou todas as peças.

Finger anatomy

Foto cortesia de: Climbing.com
As polias são particularmente suscetíveis a lesões durante a escalada. As polias são anéis em cada seção do seu dedo que mantêm seus tendões no lugar correto enquanto tomam peso. Uma das lesões de escalada mais comuns é uma lágrima total ou parcial da polia A2, que assume muita pressão em certos movimentos intensivos em dedos, particularmente frisos. A polia A2 no dedo anelar é a mais provável de sofrer lesões. Você saberá que está ferido se sentir dor no seu dedo (particularmente se é sensível ao toque), dores agudas dos dedos durante a escalada e / ou ouvir um pop no seu dedo durante a escalada.

Annular Pulley Injuries

Foto cortesia de: opp.uoregon.edu
Praticamente toda a pesquisa mostrou que a gravação de um dedo com uma polia machucada é ineficaz. A única técnica que é conhecida por ajudar é REST. No entanto, isso não impede que os alpinistas tentem. Alguns alpinistas pensam que o envolvimento de algumas camadas de fita em torno do dedo lesionado proporcionará suporte estrutural suficiente para manter o tendão no lugar e evitar ferimentos adicionais na polia.

Bouldering Babes taped climber hands


Foto cortesia de: boulderingbabes.com
Outros juram por técnicas mais intrincadas como o método H e o método X. Vale a pena dizer novamente: todos têm sua própria opinião sobre a eficácia da fita e nós, no FrictionLabs, não realizamos testes próprios para validar uma determinada teoria ... mas se o seu dedo doer, provavelmente é tempo de algum descanso. Sobrecarga seguida de descanso = força e regeneração. Sobrecarga sem descanso = lesão e degeneração. Se o seu dedo estiver ferido, tire algumas semanas de folga e volte a acalmar-se. Uma lesão mais grave poderia ter você fora do jogo há meses ou mais. ETIQUETA Seja na academia ou no penhasco, a pior coisa que você pode fazer com a fita é deixá-la no chão e na areia. Pegue seu lixo! E, claro, como já dissemos acima, não confie na fita para parar seu sangramento. Se você está sangrando, ele passará pela fita e nas porções, o que é incrivelmente desconsiderado de outros alpinistas.

CONCLUSÃO

Espero que você tenha um bom senso agora para os conceitos básicos de gravação. Nem todo mundo faz isso. Às vezes, é útil, outras vezes você está apenas se enganando. Experimente, descubra o que funciona para você e continue esmagando.
E, claro, se você tiver dúvidas ou dicas adicionais, coloque essas em comentários também!
Se você é um novo alpinista ou um profissional experiente, você anseia o momento em que seu aperto faz mais do que você pensou que poderia. Esse segundo dividido é o nirvana. Na FrictionLabs, ajudamos os alpinistas a encontrar esse sentimento. Usamos a ciência para criar o melhor giz para o sucesso na escalada. Experimente experimentar um melhor desempenho, uma respiração mais segura e uma pele mais saudável.
Texto: https://frictionlabs.com

6 de set de 2017

Fingerboard X Força

           



       Em termos de atributos físicos, o aumento da força do dedo do pico relativo é central para levar sua escalada ao próximo nível - pense nisso como a força do dedo que você pode aplicar a uma retenção de rocha em relação à massa corporal que os dedos devem suportar. Melhorar essa relação peso / peso do dedo é possível aumentando o numerador (maior força do dedo) e diminuindo o denominador (diminuindo a massa corporal).

Os escaladores principiantes e intermédios geralmente podem aumentar sua relação força-peso mais rápido, melhorando a composição corporal (reduzindo músculos indesejados e gordura excessiva, dentro da razão) e melhorando a qualidade do movimento (ganhos de força aparente através de uma maior eficiência de escalada). Além disso, o treinamento excessivo de força do dedo é imprudente e potencialmente prejudicial durante os meses formativos de um escalador, os tendões do dedo levam muitos meses (e talvez anos) para se adaptarem aos estresses únicos da escalada. A linha inferior: um iniciante experimentará ganhos constantes na força aparente e na relação força / peso - simplesmente aumentando alguns dias por semana, otimizando a composição corporal e buscando melhorar a mobilidade e as habilidades mentais por semana.

Mais experientes e escaladores de elite devem adotar uma abordagem diferente, no entanto. Supondo que esses escaladores avançados já possuam um alto nível de habilidade de escalada e boa base de aptidão física, a melhoria da relação força-peso do dedo só é possível através de treinamento para aumentar a quantidade de força que os flexores de dedos podem aplicar a uma suspensão de rocha. A melhor ferramenta de treinamento para esta missão (você deve aceitá-la!). É o fingerboard.

Embora existam vários métodos / protocolos / programas diferentes de fingerboard (alguns bons, alguns ruins) no domínio público, detalhados abaixo são quatro protocolos baseados em evidências que funcionam. Alpinistas experientes, sem história recente de lesões nos dedos / cotovelos / ombros, podem empregar um desses protocolos de força máxima de aderência em duas vezes por semana como suplemento ao tempo gasto na escalada. O número agregado de dias de treinamento de escalada e dedo por semana não deve exceder os quatro descansos nos dedos, um mínimo de três dias por semana é essencial para a recuperação neuromuscular e remodelação do tendão do dedo. Quebre esta regra e provavelmente irá acabar "quebrado”... De uma forma ou de outra.


"Máxima Força" do Treino de Fingerboard





         Execute sempre um aquecimento completo antes de usar um dos seguintes programas de
 fingerboard. Idealmente, comece com uma atividade geral de corpo inteiro para
 elevar a freqüência cardíaca - alternativamente, envolva-se em quinze a trinta
 minutos de escalada fácil ou boulder intermitente não máximo. Se o treinamento em
 casa (sem parede disponível) faça alguns macacos de salto (para obter o fluxo de 
sangue), alguns conjuntos de pull-ups em suportes de garra e, finalmente, um pouco
 de peso corporal trava em uma variedade de suportes de furação. Conclua o seu
 aquecimento com algum alongamento suave e massagem do músculo flexor e extensor do
 antebraço.







 Com base na pesquisa de Eva Lopez-Rivera, este protocolo de baixo volume é o que eu
 recomendo como um programa de fingerboard de nível de entrada (não deve ser
 confundido com um programa de “iniciantes de alpinistas” - os iniciantes não
 deveriam treinar no teclado). Alguns ciclos de várias semanas trarão ganhos
 visíveis na força dos dedos para trepadeiras intermediárias, bem como servirão
 como preparação para mergulhar em atolamentos de fingerboard ponderados (descrito
 a seguir). Você precisará de um teclado com muitas bordas e bolsos de diferentes
 tamanhos, e então você precisará experimentar um pouco para identificar quais
 recursos você pode manter por apenas 15 segundos ou mais. O bloqueio de
 treinamento real deve terminar alguns segundos antes da falha no aperto, então eu
 recomendo que cada pendura exatamente 12 segundos de comprimento. Por design, este
 protocolo de treinamento produzirá pouca ou nenhuma bomba muscular, já que ele 
visa principalmente o sistema de energia atlética anaeróbia.
 
Faça um travamento de 12 segundos usando um recurso que você pode segurar apenas
 por 15 segundos com o máximo esforço.
 Descanse por exatamente 3 minutos.
 Mais quatro suspensões seguem o protocolo acima. Cada período de espera deve ser
 quase máximo (classificação do esforço percebido de 9 a 9.5 em 10), mas não o leva
 ao fracasso.
 Depois de fazer o primeiro conjunto de cinco travamentos, descanse por 5 minutos
 antes de fazer um segundo conjunto de cinco travamentos. Inicialmente, 
concentre-se no treinamento do aperto do meio-crimp e open-crimp-one, cada um. Os
 escaladores avançados podem fazer conjuntos adicionais que visam bolsos de dois 
dedos (aperto de mão aberta) e aperto de aperto. Certifique-se de descansar pelo
 menos 5 minutos entre os conjuntos.


Comparação dos Efeitos de Três Programas de Treinamento sobre Força Máxima de Dedo em Escaladores de Rocha



Eva López-Rivera  projetou dois novos conselhos de treinamento denominados 
"Progressão" e "Transgressão". Eva estuda treinamento em hangares por vários anos 
e estudou diversos protocolos de treinamento e conceitos de programação.



 
Neste estudo, a Eva comparou três protocolos de treinamento projetados para 
aumentar a força do flexor dos dedos: 1.) um baixo volume de peso máximo trava com
 longos intervalos de descanso entre os travamentos, 2.) um volume médio de
 travamentos sub-máximos com descanso incompleto entre travamentos , E 3.) uma
 combinação de métodos # 1 e # 2. Como métrica de força máxima dos dedos, os 26 
participantes do estudo (capacidade média de ponto vermelho de 5.13a / b) foram 
testados antes do estudo, após quatro semanas de treinamento e pós-estudo para
 determinar o peso máximo adicionado enquanto pendurava um Borda de 15mm por 5 
segundos.
 
Protocolos de treinamento e resultados
 
    Grupo 1 - Baixo volume com peso máximo e descanso total. Oito semanas de
 treinamento com 3 a 5 conjuntos de suspensão única consistindo de um corte de
 peso máximo de 10 segundos seguido de um descanso de 3 minutos. Resultados: ganho
 de força médio de 15,2% após 4 semanas e 28% após 8 semanas de treinamento.
    Grupo 2 - Volume médio com peso sub-máximo e descanso incompleto. Oito semanas
 de treino com 3 a 5 conjuntos de "repetidores" compostos por 4 a 5 trilhas 
sub-máximas de 10 segundos com um descanso de 5 segundos entre cada pendurado.
 Cada conjunto de travamentos é seguido por um descanso de 1 minuto antes de 
começar com o próximo conjunto de 4 a 5 pendentes. Resultados: ganho médio de 
força de 4,6% e 13,9% após 4 e 8 semanas de treinamento, respectivamente.
    Grupo 3 - Utilizou o protocolo de treinamento do grupo 1 durante quatro
 semanas e depois o protocolo do grupo 2 por quatro semanas. Resultados: ganho de
 força médio de 20,6% após 4 semanas de treinamento com peso máximo, no entanto,
 6% desses ganhos de força foram perdidos após as 4 semanas de treinamento com 
suspensões sub-máximas.
Texto: http://trainingforclimbing.com

 

 

24 de ago de 2014

Religare - 9a Pedra do Romão


      Um grande agradecimento ao Samuel , (escalador local) pela edição do vídeo, por dar vida novamente ao pico e a todos que tem colaborado muito, Luigi, Paulada, Shirley,  escaladores pouso-alegrenses  entre outros!!!
       Para quem não conhece, o pico fica em cachoeira de minas e hoje está com mais de 30 vias , varias fendas ,Vias negativas, diedros, regleteira etc...
        Croqui no forno quase saindo.
      Aos poucos vou colocando mais fotos para que a turma possa conhecer melhor o pico!
 Abrax e boas escaladas!!
   
Samuel no trabalho pesado(xerife)

Luigi Via: Vai Danada 7b

Galera de Pouso Alegre


Tiguaça

Chama

24 de jul de 2014

Croqui pedra chata


Pedra Branca


pedra branca
A Pedra Branca é um belo morro testemunho de granitão localizado no município de Paraisópolis, em Minas Gerais. A primeira via de escalada, intitulada “Normal” foi conquistada nos idos de 1984 por Walter A. Baere, Doni Lima e Mario C. Padovan. Depois de treze anos, 1997 recebeu uma nova e ousada conquista, a via “Quebra Cabeça” de Aldirn Lima, Ricardo Miele, Carlos Augusto Lorenzo e João Bosco Vilela.
            Desde de então a Pedra Branca permanecia quieta, adormecida, esperando por novas repetições, ansiando por novas conquistas. Neste ano uma turminha realizou novas incursões por lá, e destas idas surgiram novas três linhas, no melhor estilo escalada de aventura, no local.
            As vias que conquistadas em 2014, em geral são fáceis e com proteção regular (grande maioria em E2, com poucas excessões de E3). Todas elas (conquistadas em 2014) tem paradas de 30 em 30 metros, facilitando bastante quem quiser abandona-lás, em qualquer uma das paradas (com cordas acima de 60 metros, é claro!).
         pedra branca 2
Juliano Pedra Chata e Glauco R. Gonçalves
   Oferecemos aqui um modesto guia de escalada na Pedra Branca, com croquis das conquistas feitas neste ano de 2014. Tentaremos, em breve, fazer os croquis das vias das antigas (“Normal” e “Quebra Cabeça”).
            Lembramos com veemência a necessidade de respeitar e ser cordial com os proprietários locais!
            Sua segurança é inteiramente de sua responsabilidade e de seu parceiro.
            Esperamos que vocês se divirtam por lá!
            Boas escalagens!!
pedra branca 1
pedra branca 3
Post Retirado do Brasil Vertical
Glauco "mandando ver"....

Mais uma linha de escalada em São Bento do Sapucaí



martelo de thor bauzinho
Aproveitando um verão atípico, que proporcionou inúmeras escaladas no complexo 
do Baú, eu e o Rubão localizamos um bom espaço de parede, na face norte do Bauzinho, entre as 
vias Homem Pássaro e Lidiane Arnaud, que parecia suficientemente promissor para a descoberta de 
mais uma linha de escalada para a comunidade da montanha que frequenta São Bento do Sapucaí. 
martelo de thor bauzinho com mais vias
Em que pese nossas investidas não tenham respeitado a temporada de escalada, pois 
foram realizadas majoritariamente no verão, a conquista da “Martelo de Thor” observou os 
princípios idealizados na Carta de São Bento do Sapucaí, concebida em seminário patrocinado pela 
FEMESP, quando executamos toda a equipagem da via em estilo de conquista, onde todas as 
investidas foram executadas da base ao cume, focando o respeito ao estilo tradicional e ética local. 
Justamente pelo período climático, as investidas foram acompanhadas das adoradas 
nuvens de tempestade (cumulus nimbus), que sempre giraram respeitosamente sobre nossas 
cabeças, harmonizando tempo suficiente para a execução dos trabalhos, sem trovoadas efetivas, até 
um cômico fato ocorrido durante a conquista da última enfiada. 
As três primeiras enfiadas da via, com cordadas de 30, 45 e 45 metros 
respectivamente, exigiram duas investidas. 
Na terceira investida, certos que chegaríamos ao cume, com aproximadamente 15 
metros de cordada, já faceando a rocha para o perfeito assentamento da chapa, por um lapso a 
marreta saiu voando da parede! 
- Nossa !!! Perguntei... 
- O que foi isso?! 
-A marreta *&#%&*#@&%$@#!!! Respondeu Rubão... 
Sem a possibilidade de desescalar de forma segura - pois se trata de um trecho de 
aderência pura, onde a última chapa já estava a uma distância que possibilitaria uma queda perigosa 
-, e por sorte estávamos com furadeira, foi viável fazer o furo da proteção, mas o parabolt teve que 
ser instalado com pancadas de uma “marreta improvisada”, um ascension (blocante de 
punho)...Ufa!!! 
Como já estávamos a uns 135metros de parede, mas ainda estimávamos mais uns 30 
a 40 metros para o cume, não restou alternativa senão descer, assimilar o fato, e comprar uma 
marreta nova... 
Já na base da parede, lanchando antes de descer a trilha, ainda com a moral em baixa, 
e com as trombetas do céu ecoando pelo vale, resolvemos fazer uma rápida busca no perímetro, 
onde provavelmente a marreta poderia ter caído... não gastamos três minutos, se muito, e a marreta 
estava na mão do Rubão, intacta!! 
- Recuperamos o Martelo de Thor! Falou Rubão, dando combustível para reaquecer 
nossa moral!!! 
E sob chuva e trovoadas fomos empurrados trilha a baixo... 
Dos nomes que já havíamos cogitado durante os dias anteriores para “batizar” a via, 
todos perderam o significado, o “Martelo de Thor” era um fato inarredável da história dos trabalhos 
de conquista, não havia como escapar... o nome seria “Martelo de Thor”!!! Trovoadas, junto com 
um martelo que voa da parede, não acerta inocentes, e volta às nossas mãos... tínhamos a mitologia 
do Deus nórdico, contada nessa nossa singela vivência! 
rubens antunes e luiz brinco
Rubens Antunes e Luiz Brinco (Luizão)
PS: Tirado dBrasil Vertical

12 de ago de 2013

Trip Desfibrila na Serra do Cipó parte 1



      Depois de um dia cansativo de trabalho eu, Marcão, Eliel, Luigi, Thaisinha, Felipão e Ana Luiza seguimos rumo a Serra do Cipó, dispostos a aproveitar o feriado de Pouso Alegre, para passar quatro dias de muita escalada, sorrisos, passeios e descanso mental!
      Saímos de Pouso Alegre em torno das 19:00 h , fizemos uma ótima viagem, só atrasamos um pouco para chegar lá porque tivemos que esperar a thaisinha comer uns 5 Salgados no Graal e um MEGAA  doce..
Primeira parte do lanche da Thaisinha
Segunda parte do lanche

      Chegando lá, ficamos muito bem hospedados no abrigo do Magrão (Abrigo G3). Um local muito bacana, com internet, TV com vários filmes, muita paz e natureza.
Abrigo G3

Abrigo G3

Thaisinha na Mister X

Marcão na Barbaros

         No primeiro dia, resolvemos ir no setor perseguidas, onde Luigi me ajudou a avistar uma linda via, (Entre as Pernas da Perseguida). Entramos na ”Chorreira Musical” ,” Tio Sika” e outras.
        Todos tiveram um ótimo desempenho. Escalaram muito bem e acabamos saindo da pedra à noite encontrando grandes amigos da região que estavam lá.
Henrique na Chorreira Musical

Eliel na Chorreira Musical

Henrique na Entre as Pernas da Perseguida

Henrique na Tio Sika


Logo após, seguimos para o abrigo para jantar e dormir, para que no próximo dia, o rendimento fosse ótimo.
No segundo dia, resolvemos ir a algumas vias tradicionais para que o Eliel, Felipão, AnaLuiza e Thaisinha pudessem conhecer as vias tradicionais. Eliel conseguiu avistar a” Jhonny Quest” e outros 6sup.  Thaisinha conseguiu avistar alguns quintos, Felipão alguns sextos,  Ana teve um grande desempenho na via Melzinho
Ana Luiza na Melzinho

  Marcão e Luigi mandaram vários sétimos e sextos. No terceiro e quarto dia, conhecemos os setores “Zen” e o “Cangaço”. Cheio de vias lindas com uma variedade imensa de graduação. Lugar incrível para todos os gostos: vias mais longas, mais curtas, com reglets, abaulados, negativas, verticais.
Um pico realmente extraordinário, sendo hoje um dos melhores do Brasil!
Sempre divertindo muito na rocha e no abrigo, esquecendo-se das obrigações rotineiras.
Agradeço a todos pela companhia, parceria, betas etc.
Logo colocarei o restante das fotos..